Segunda-feira, 27 de Setembro de 2004
folhas.jpg




.


Não há, não,


duas folhas iguais em toda a criação.



.


Ou nervura a menos, ou célula a mais,


não há de certeza, duas folhas iguais.



.


Limbo todas têm,


que é próprio das folhas;


pecíolo algumas;


bainha nem todas.


Umas são fendidas,


crenadas, lobadas,


inteiras, partidas,


singelas, dobradas.



.


Outras acerosas,


redondas, agudas,


macias, viscosas,


fibrosas, carnudas.



.


Nas formas presentes,


nos actos distantes,


mesmo semelhantes


são sempre diferentes.



.


Umas vão e caem no charco cinzento,


e lançam apelos nas ondas que fazem;


outras vão e jazem


sem mais movimento.


Mas outras não jazem,


nem caem, nem gritam,


apenas volitam


nas dobras do vento.


.


É dessas que eu sou.



.



(Miguel Torga)



publicado por Lumife às 03:00 | link do post | comentar

1 comentário:
De Anónimo a 28 de Setembro de 2004 às 12:22
Adoro as palavras dos "mestres" que aqui partilhas. Mas agora, quero ler... quero ler-te a ti! Beijofernanda
(http://apenasmaria.blogs.sapo.pt)
(mailto:fernandadias@sapo.pt)


Comentar post

Post recentes

8-ESPERO

7- BEBIDO O LUAR

6-QUE BOM SERIA...

5-EU NÃO VOLTAREI...

4-SEGREDO

3-A MINHA AMANTE

2-FUMO

1-NÃO ADORMEÇAS...

Ó meu saudoso olhar

...

...

...

...

...

...

Só mais uma vez...

...

...

...

...

Junho 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Agosto 2007

Outubro 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004


Sei de um Rio - Camane
blogs SAPO
subscrever feeds